quarta-feira, 31 de outubro de 2012

#4 Conversas

(...)
 - Eu não me lembro nada de mecânica.
 - Eu não sei nada, no meu tempo, no código não se aprendia.
 - Eu aprendi, no dia do exame. O instrutor disse-me olha é isto e isto que precisas de saber e pronto!
 - Pois, eu não sei mesmo nada. Nem mudar um pneu eu sei! Aliás, nem força para colocar o macaco tenho...

Entretanto, no seguimento da conversa, surge algo sobre polícia e o ser ou não mandadas parar! Das 3 apenas eu tenho uma vasta experiência neste campo pois...

 - Sou sempre mandada parar!
 - Eu também ainda não tenho carta à um ano, por isso nunca fui mandada parar...
 - Pois isso não quer dizer nada.
 - Eu também nunca fui mandada parar, mas se acontecer fico toda nervosa de certeza!
 - Eu já fui mandada parar com outras pessoas e também fico nervosa...
 - Pois eu é sempre! Basta haver um operação e, é na certa que paro!´
 - A sério?
 - Sim já me disseram que pode ser do carro, por ser um carro "tipo".
 - Nisso eu não tenho problema, nado sempre com a carrinha que é um carro familiar.
 - Eu sou sempre mandada parar! Houve uma altura que era todas as semanas... Até já aconteceu ser mandada parar na sexta à noite e logo no dia seguinte na manhã de sábado. É mais do que certo! Eu cá paro sempre...

Cerca de 100 metros mais á frente, ainda a conversa decorria, e eis que encontramos quem? A polícia!!! E... como não podia deixar de ser, FUI MANDADA PARAR!!!

Só nos riamos da situação, tive que mostrar documentos, colete, triângulo e não sei como não fui ao balão!? Pois no carro riamos (da coincidência) que nem umas parvas/bêbadas!
O maior erro do ser humano é tentar tirar da cabeça aquilo que não sai do coração!

Oração do Voluntário

A vida é bonita quando a doamos.
Obrigada pela vida que me destes
e também pelas capacidades.
Quero ser Teu instrumento,
 um abrigo para os meus irmãos.
Que quantos se aproximam de mim
sintam que são amados por Ti.
Ajuda-me a ser presença de bondade,
de acolhimento, de ternura,
junto de todos, mas de modo especial
junto daqueles a quem me chamas a servir:
os teus filhos sem abrigo. Peço-Te também por eles.
Ilumina-me para perseverar e servir com alegria,
mesmo quando me sinto sem forças e sem respostas.
E que o meu testemunho de entrega
possa chamar outros a serem sementes de VIDA e de PAZ.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Do melhor!


Nestes dias chuvosos,
haverá melhor programa,
do que deixar-me ficar pelo sofá enroladinha numa manta?
É do melhor!!!

Coração a mais?!

Nos últimos tempos tenho constatado, inúmeras vezes, que tenho “coração a mais” comparando com a larga maioria das pessoas… Contudo, este é um modo muito positivo de ver as coisas pois, de facto, o que julgo que esta a acontecer é que as pessoas deixaram de usar o coração como órgão de afectos! O que e triste…

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Algo em que sou muito má...

A avaliar bem as pessoas!

Sou mesmo muito péssima neste ponto. Odeio não conseguir avaliar bem uma pessoa, irrita-me, enerva-me e por fim deixa-me triste, pois é raríssimo o caso em que não me desaponte ou desiluda!
Não sou minimamente dotada da capacidade de olhar para um pessoa e perceber logo o que ela é. Olhar para uma pessoa e puder dizer "é mesmo boa pessoa"; "vê-se logo que é impecável" ou então "topa-se à distância que não é flor que se cheire" simplesmente comigo não dá!

E o pior é que no fim das contas fica sempre esta estúpida sensação de que, de novo, não devia ter confiado, acreditado, esperado, dado tanto! Que treta!!!

As minhas foram: simpatia; dedicação; sinceridade!

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Sem palavras...

Não há palavras que me permitam descrever a seguinte reportagem, passada ontem na SIC numa nova série documental, Momentos de Mudança...


Mais uma vez, constato o tamanho do meu egoísmo quando "me queixo" da minha vida!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

UM NOVO BLOG: De olho nos pés...

Para quem não me conhece, assim tão bem, sou uma eterna apaixonada por SAPATOS!
É uma paixão desde miúda! Lembro-me de ficar de "boquita aberta" sempre que via uma senhora com uns lindos sapatinhos.
E embora, nos últimos tempos ande muito (mesmo muito) contida na compra destes meninos a verdade é que sou incapaz de passar por uma sapataria, seja de que tipo for, e não parar, olhar, entrar, mexer, experimentar...
Uma pessoa não pode ser perfeita e esta é uma das minhas (muitas) imperfeições! Mas podia ter um vicio pior, certo?
Por este motivo e, quase sob pressão de alguns amigos, resolvi ter um blog dedicado só a sapatinhos: http://deolhonospes.blogspot.pt/. Ainda não está com muita informação, mas podem (e devem!) espreitar e dar ideias! 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

"Valeis muito mais que os passarinhos do ar" - LINDO!!!


Porque sou uma pessoa de (muita) fé, recordo muitas vezes esta passagem de São Lucas, principalmente quando sinto que me falta algo de supérfluo. Este vídeo é surpreendente!

Lc 12, 22-32
Em seguida, disse aos discípulos: «É por isso que vos digo: Não vos preocupeis quanto à vossa vida, com o que haveis de comer, nem quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir; pois a vida é mais que o alimento, e o corpo mais que o vestuário.
Reparai nos corvos: não semeiam nem colhem, não têm despensa nem celeiro, e Deus alimenta-os. Quanto mais não valeis vós do que as aves! E quem de vós, pelo facto de se inquietar, pode acrescentar um côvado à extensão da sua vida? Se nem as mínimas coisas podeis fazer, porque vos preocupais com as restantes?
Reparai nos lírios, como crescem! Não trabalham nem fiam; pois Eu digo-vos: Nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. Se Deus veste assim a erva, que hoje está no campo e amanhã é lançada no fogo, quanto mais a vós, homens de pouca fé!
Não vos inquieteis com o que haveis de comer ou beber, nem andeis ansiosos, pois as pessoas do mundo é que andam à procura de todas estas coisas; mas o vosso Pai sabe que tendes necessidade delas. Procurai, antes, o seu Reino, e o resto vos será dado por acréscimo. Não temais, pequenino rebanho, porque aprouve ao vosso Pai dar-vos o Reino.»

Ai ai...

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

17 Out - Dia Internacional Para a Erradicação da Pobreza

Será que cada um de nós não pode fazer mais do que faz?
A propósito do dia de hoje - Dia Internacional Para a Erradicação da Pobreza - partilho convosco uma notícia que ouvi hoje na rádio: um Sr.º Padre relatava que conhece muitos casais licenciados que (sobre)vivem com cerca de 100€ por mês, que comem massa com massa de manhã à noite e que só sobrevivem porque familiares ou amigos não os deixam morrer à fome. Fiquei impressionada, muito mesmo! Até porque ia a comer um chocolate... Um luxo, portanto!
Sinto-me mal por me queixar tanto, enquanto há quem tenha tão menos que eu...
E questiono-me se, cada um de nós, não pode fazer mais do que faz?

terça-feira, 16 de outubro de 2012

(...)

"A alma que anda no amor não cansa, nem se cansa!"

#3 Conversas


 - Oitenta.
 - Oi, tenta!
 - Oitenta vezes, se necessário...
 - Mas tenta!

Hoje acordei como o tempo

Cinzenta!!!

É nestes dias que mais sinto a falta daqueles amigos que estão longe… Sinto falta das presenças físicas, dos abraços de conforto e das palavras de incentivo…
 

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Inversão do Relato da Criação

Acho que vale mesmo a pena pensar nisto!!!

" No princípio, Deus criou o céu e a terra.
Depois de muitos milhões de anos, o homem criou
Coragem e resolveu assumir o comando do mundo e do futuro.
Então, começaram os sete últimos dias da história...

Na manhã do primeiro dia,
O homem resolveu não ser mais a imagem de um Deus,
Mas ser simplesmente homem.
E, como devia acreditar em alguma coisa,
Acreditou em liberdade e felicidade,
Em bolsa de valores e progresso,
Em planeamento e desenvolvimento
E especialmente em segurança.
Sim, a segurança era a base.
Disparou satélites perscrutadores
E preparou foguetes carregados de bombas atómicas.
E foi a tarde e a manhã do primeiro dia.

No segundo dia dos últimos tempos,
Morreram os peixes dos rios
Poluídos pelos dejectos industriais;
E morreram os peixes do mar
Pelo vazamento dos grandes petroleiros
E pelo depósito do fundo dos oceanos;
Os depósitos eram radioactivos,
Morreram os pássaros do céu
Impregnados de gases venenosos-inversão térmica.
Morreram os animais que atravessavam incautos
As grandes auto-estradas,
Envenenados pelas descargas plúmbeas
Do trânsito infernal.
Mas morreram também os cachorrinhos de estimação
Pelo excesso de tinta que avermelhava as línguas.
Foi a tarde e a manhã do segundo dia.

No terceiro dia,
Secou a erva dos campos,
A folhagem das árvores
O musgo nos rochedos
E as flores nos jardins.
Porque o homem resolveu controlar as estações
Segundo um plano bem exacto;
Só que houve um pequeno erro
No computador da chuva,
E até que descobrissem o defeito,
Secaram-se os mananciais
E os barcos que singravam os rios festivos
Encalharam nos leitos ressequidos.
E foi a tarde e a manhã do terceiro dia.

No quarto dia,
Morreram quatro dos cinco biliões de homens;
Uns contaminados por vírus cultivados em provetas eruditas,
Outros por esquecimento imperdoável
De fechar os depósitos bacteriológicos,
Preparados para a guerra seguinte;
Outros ainda morreram de fome
Porque alguém não se lembrava mais
Onde escondera a chave dos depósitos de cereal;
E amaldiçoaram a Deus:
se Ele era bom porque permitia tantos males?
E foi a tarde e a manhã do quarto dia.

No quinto dia,
Os últimos homens resolveram accionar o botão vermelho,
Porque se sentiam ameaçados.
O fogo envolveu o planeta,
As montanhas fumegaram, os mares evaporaram.
Nas cidades, os esqueletos de cimento armado
Ficaram negros, lançando fumo das órbitas abertas.
E os anjos do céu assistiram espantados
Como o planeta azul se tornou da cor do fogo,
Depois cobriu-se de um castanho sujo e finalmente ficou cor de cinza
Eles interromperam os seus cantos durante alguns dez minutos,
E foi a tarde e a manhã do quinto dia.

No sexto dia,
Apagou-se a luz,
Poeira e cinza encobriam o sol a lua e as estrelas.
E a última barata que tinha escapado
Num abrigo anti-atómico
Morreu por excesso de calor.
E foi a tarde e a manhã do sexto dia.

No sétimo dia,
Havia sossego, até que enfim!
A terra estava informa e vazia,
As trevas cobriam o abismo
E o espírito do homem pairava sobre o caos.
Mas no fundo do inferno
Comentava-se a história fascinante
Do homem que assumira os comandos do mundo,
E gargalhadas estrondosas
Ecoaram até aos coros dos anjos.
Meus senhores, nada impede que o homem vá até
Ao fim das suas possibilidades; mas resta ainda uma esperança,
Que o mundo e com ele, o homem e o seu futuro,
Estejam nas mãos de um Outro....."

Inversão do relato da criação por Jorg Zink
In Do eu solitário ao nós solidário, Verso da Kapa, 2011.

Figo Maduro


Andava já há algum tempo à procura do CD deste grupo e eis que hoje lá o consegui comprar!
É mesmo muito bom!!!

Figo Maduro é um conjunto musical que canta e toca maravilhosamente, constituído por cinco elementos: mãe e quatro filhos. A mãe, viúva, é Madalena Salles Vidal (voz e guitarra). Os seus quatro filhos: Luísa (voz, flauta e piano); Maria (voz e percussão); Madalena (voz e violino); João Maria (voz e violoncelo).
A sua primeira actuação pública, ocorreu a 12 de Maio de 2000, por ocasião da visita de Sua Santidade o Papa João Paulo II, na Base Militar de Figo Maduro, em Lisboa. Madalena, a mãe, ensaiou um grupo de cerca de 100 crianças, vindas de 4 instituições, no contexto dos preparativos para a recepção ao Papa. Mãe e filhos têm prosseguido a sua formação musical e, consequentemente, a contratação para tocar e cantar em diversos eventos, com repertório religioso e não religioso. O seu reportório litúrgico abrange dois estilos: um, mais ligeiro, em que a guitarra clássica e a percussão predominam, e outro, mais erudito, em que sobressaem a flauta transversal e o violino. Ambos incluem músicas cantadas em: português, latim, inglês, francês, alemão, italiano e espanhol.
O grupo é mais que um projecto musical. Tendo surgido em família e com a família é, desde o início, um projecto de educação.


Uma vencedora que caminha...

Sinto-me uma vencedora… E esta minha “vitória” dura apenas há 7 semanas!
Sinto-me como se devem sentir os dependentes em tratamento de desintoxicação: a cada dia que passa risco (mais) um dia no calendário e somo uma pequena vitória!
Sinto-me feliz por estar a conseguir ultrapassar este “problema” da minha vida, mas não posso esquecer que, tudo o que surge na vida, é para me ensinar algo e eu aprendi muito com tudo isto… Também não posso abandonar o facto de nesta "história" (e em toda a minha vida) amar demais, amar tudo com uma dimensão superior e, é por esse facto, que é tão difícil largar o que amo…
Mas, amar não é aprisionar! Por isso deixo, com alguma dor, no passado, mas em liberdade muitos dos meus amores… E quando a saudade vier, sei sempre de que lugar do coração tirar as melhores lembranças.


Na vida surgem momentos em que temos que fazer escolhas. Escolhas difíceis, escolhas que fazem doer, escolhas que no presente não se entendem, mas que são sempre as mais correctas… Escolhas que contradizem o coração e que nos fazem mudar “o rumo das coisas”… Foi isso mesmo que eu fiz! Mas não me arrependo.
São muitos os momentos em que penso em tudo o que vivi: nos muitos momentos felizes, nas loucuras, nos maiores atrevimentos, mas também no medo e na incerteza constante e são estes dois últimos sentimentos que me dão força nesta "nova" caminhada. Não os quero sentir de novo! Contudo, porque o caminho se faz caminhando, pode ser que as coisas um dia possam vir ser diferentes… Por enquanto sei que é o melhor para todos!
Agradeço a Deus o facto de estar sempre comigo, por me ajudar nas minhas pequenas vitórias, por me “levar ao colo” nos momentos mais difíceis e peço-lhe que me ajude a ler toda a minha história com clareza, de modo a que os meus alicerces sejam fixados onde Ele quer!

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Numa paz imensa...

"É na paz que se tomam as grandes decisões" – disse-me esta semana um amigo muito importante para mim. Não sei se o disse porque sabe que preciso de as tomar, mas acredito que o tenha dito porque é verdade. Ele diz sempre grandes verdades!
Nestes últimos tempos, e apesar de todas as contrariedades, sinto-me em paz... Numa paz imensa...


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A cada dia a natureza produz o suficiente para a nossa carência. Se cada um tomasse apenas o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome!

Gandhi

terça-feira, 9 de outubro de 2012

#2 Conversas...

 - Como estás?
 - Bem! Agora bem...
 - Sentes-te feliz? Ou melhor és feliz?
 - Sou!
 - Sentes-te completa?
 - Sim, quase sempre!
 - Então nada te falta?
 - Mais ou menos... Falta-me o futuro!
 - Aquilo a que chamas "futuro" constroi-se no hoje, no aqui e no agora...

sábado, 6 de outubro de 2012

Parabéns Mãe!!!

Nem sempre agradeço convenientemente a família com que Deus me presenteou, mas sou muito grata pela família que tenho!
Cresci numa família nada perfeita, mas onde muito pouco me faltou...
A minha infância não foi um conto de fadas, foi apenas a minha história simples.
Os meus pais sempre trabalharam para que pudéssemos (eu e os meus três irmãos) ter o mais importante: comida, roupa e saúde! Os luxos não eram grandes, mas dava para que os anos e o natal fossem de facto uma festa. Que saudades!!!
Também nunca nos faltou o mais importante: a transmissão de valores, a educação, o respeito e a obediência sempre foram regra lá em casa. E os meu pais eram os primeiros a dar o exemplo!
Hoje, o motor desta família - a minha MÃE! - completa 69 anos! E é a ela que dedico o meu post de hoje...


A minha Mãe sempre foi, e ainda é, uma grande mulher e uma verdadeira mãe, com um M dos maiores que há no mundo. Ela ensinou-me a ser tudo o que sou hoje (e não consigo conter as emoções ao escrever isto! - uma lágrima...)!
Para a minha Mãe a vida nunca foi "uma coisa facilitada": teve sozinha (há mais de 40 anos atrás) um casal de gémeos; trabalhou muito; um dos filhos fica doente demasiado cedo e a vida torna-se ainda mais complicada; a família pouco ou nada A ajuda; conheceu o meu pai (que era um bom homem, mas que tinha o seu feitio!); trabalhou muito toda a vida; constituiu uma família; construiu e governou uma casa à custa de muito suor e lágrimas; criou aquilo a que se chama uma verdadeira família!
Infelizmente, um acidente em 1999 roubou-lhe a saúde e, por consequência, o marido; os filhos mais velhos deram-lhe sempre mais trabalho (a mim ela nunca me confidencia o trabalho - e as dores de cabeça - que lhe dou!). A entrada no novo milénio "oferece-lhe" assim uma vida em nada mais fácil que até aqui!
Os filhos (mais velhos) libertam-se das asas da "mãe galinha" e saem de casa (mas estão sempre por perto); a saúde vai sendo cada vez mais frágil; surgem os tão desejados netos: um, dois, três, quatro! (costumamos brincar que ela pediu tanto a Deus que Ele a ouviu!) Mas, uma das noras rouba-lhe sono, anos de vida e não só... e filho acaba por ficar (com muita luta da minha mãezinha) e após um complicado divorcio, com a guarda de três crianças muito pequenas. A luta desta mulher fantástica, que em boa hora Deus fez MINHA MÃE, torna-se ainda maior pois a vida do meu irmão era (e ainda é um pouco) muito débil. Contudo, a garra de uma grande lutadora (apesar da pouca saúde) mantém-se!
Hoje, Ela gere a nossa casa e a do meu irmão e ainda nos orienta a todos!
Nunca dirige um não aos filhos (algo que fez a vida toda), ajuda-nos no que pode e no que não pode e faz de tudo pelos filhos e netos...

Nós duas sempre fomos muito próximas, sempre pude contar com Ela para tudo e sempre tive nela uma amiga e companheira insubstituível. Apesar da sua idade sempre me acompanhou em tudo e sempre lhe contei tudo da minha vida, compartilhando segredos e vivências!
A minhã Mãe está sempre disposta a ajudar o próximo, a acolher a todos de coração e nunca se nega a nada! Adora ter a casa cheia, seja dos filhos, nora, netos, amigos ou amigos dos filhos... Há sempre espaço (em casa e no seu coração) para mais um. E, o mais bonito de tudo, é que não sente rancor da vida, apesar desta não lhe ter sido facil!
A minha Mãe é uma mulher de armas e de muita oração! É um ser maravilhoso, aliás dos melhores que o mundo tem, um ser que Deus colocou na minha vida como uma pedra preciosa! (e mais uma lágrima...)
Parabéns Mãe! (e para o ano terás 70 rosas!)