sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Inversão do Relato da Criação

Acho que vale mesmo a pena pensar nisto!!!

" No princípio, Deus criou o céu e a terra.
Depois de muitos milhões de anos, o homem criou
Coragem e resolveu assumir o comando do mundo e do futuro.
Então, começaram os sete últimos dias da história...

Na manhã do primeiro dia,
O homem resolveu não ser mais a imagem de um Deus,
Mas ser simplesmente homem.
E, como devia acreditar em alguma coisa,
Acreditou em liberdade e felicidade,
Em bolsa de valores e progresso,
Em planeamento e desenvolvimento
E especialmente em segurança.
Sim, a segurança era a base.
Disparou satélites perscrutadores
E preparou foguetes carregados de bombas atómicas.
E foi a tarde e a manhã do primeiro dia.

No segundo dia dos últimos tempos,
Morreram os peixes dos rios
Poluídos pelos dejectos industriais;
E morreram os peixes do mar
Pelo vazamento dos grandes petroleiros
E pelo depósito do fundo dos oceanos;
Os depósitos eram radioactivos,
Morreram os pássaros do céu
Impregnados de gases venenosos-inversão térmica.
Morreram os animais que atravessavam incautos
As grandes auto-estradas,
Envenenados pelas descargas plúmbeas
Do trânsito infernal.
Mas morreram também os cachorrinhos de estimação
Pelo excesso de tinta que avermelhava as línguas.
Foi a tarde e a manhã do segundo dia.

No terceiro dia,
Secou a erva dos campos,
A folhagem das árvores
O musgo nos rochedos
E as flores nos jardins.
Porque o homem resolveu controlar as estações
Segundo um plano bem exacto;
Só que houve um pequeno erro
No computador da chuva,
E até que descobrissem o defeito,
Secaram-se os mananciais
E os barcos que singravam os rios festivos
Encalharam nos leitos ressequidos.
E foi a tarde e a manhã do terceiro dia.

No quarto dia,
Morreram quatro dos cinco biliões de homens;
Uns contaminados por vírus cultivados em provetas eruditas,
Outros por esquecimento imperdoável
De fechar os depósitos bacteriológicos,
Preparados para a guerra seguinte;
Outros ainda morreram de fome
Porque alguém não se lembrava mais
Onde escondera a chave dos depósitos de cereal;
E amaldiçoaram a Deus:
se Ele era bom porque permitia tantos males?
E foi a tarde e a manhã do quarto dia.

No quinto dia,
Os últimos homens resolveram accionar o botão vermelho,
Porque se sentiam ameaçados.
O fogo envolveu o planeta,
As montanhas fumegaram, os mares evaporaram.
Nas cidades, os esqueletos de cimento armado
Ficaram negros, lançando fumo das órbitas abertas.
E os anjos do céu assistiram espantados
Como o planeta azul se tornou da cor do fogo,
Depois cobriu-se de um castanho sujo e finalmente ficou cor de cinza
Eles interromperam os seus cantos durante alguns dez minutos,
E foi a tarde e a manhã do quinto dia.

No sexto dia,
Apagou-se a luz,
Poeira e cinza encobriam o sol a lua e as estrelas.
E a última barata que tinha escapado
Num abrigo anti-atómico
Morreu por excesso de calor.
E foi a tarde e a manhã do sexto dia.

No sétimo dia,
Havia sossego, até que enfim!
A terra estava informa e vazia,
As trevas cobriam o abismo
E o espírito do homem pairava sobre o caos.
Mas no fundo do inferno
Comentava-se a história fascinante
Do homem que assumira os comandos do mundo,
E gargalhadas estrondosas
Ecoaram até aos coros dos anjos.
Meus senhores, nada impede que o homem vá até
Ao fim das suas possibilidades; mas resta ainda uma esperança,
Que o mundo e com ele, o homem e o seu futuro,
Estejam nas mãos de um Outro....."

Inversão do relato da criação por Jorg Zink
In Do eu solitário ao nós solidário, Verso da Kapa, 2011.

Sem comentários:

Enviar um comentário