quarta-feira, 31 de julho de 2013

O 1.º dia do fim da minha estadia na casa dos 20...

Ontem o dia começou da melhor maneira possível (apesar de - contrariamente ao que gosto - me ter levantado muito, muito cedo!) com um despertar sereno e alegre num local diferente, dei inicio a um dia diferente e ainda antes das 9h da matina já tinha tudo despachado: parabéns cantados, velas sopradas, bolo partido, repartido e comido!
Algum tempo depois seguiu-se um almoço em família, um café com um amigo especial, um passeio também muito especial, um lanche novamente em família e um jantar com aquela que é a família do coração - os amigos (e aqui estiveram - apesar de duas grandes ausências - somente aqueles que nestes últimos tempos se têm evidenciado). A noite terminou à conversa com um outro amigo especial "porque os últimos são sempre os primeiros"!
Enfim, foi um dia repleto de telefonemas, mensagens, flores, prendas, sorrisos e surpresas muito especiais...
Acordei aqui...

Uma das prendas. OBRIGADA amigas!!! :)



E ainda um "OBRIGADA PELOS DOCES
MOMENTOS DE AMIZADE PARTILHADOS"




Nota: Foi o ano em que melhor consegui gerir o meu dia, estando (de modos diferentes) com todos os que neste momento me são especiais!

sexta-feira, 26 de julho de 2013

O tempo é como um rio...

 
Nunca poderás tocar na mesma água duas vezes, porque a água que já passou não volta a passar novamente. Por isso aproveita cada minuto da vida e lembra-te: Não busques as aparências, porque elas mudam... Não procures pessoas perfeitas, porque não existem... Mas dedica-te a quem saiba reconhecer o teu verdadeiro valor!

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Ontem foi noite de recordar...

... E não é que até soube bem?!

Ontem estive com um amigo com quem já não estava há anos! Vemo-nos algumas vezes, falamos ao longe, uma ou outra vez lá surge uma mensagem, cumprimentamo-nos... Mas estar, parar, sentarmo-nos à mesma mesa e conversar já não o fazíamos há muito tempo, há anos!
Ele é uma pessoa que fez parte de um passado muito bom, um amigo de infância com quem compartilhei tantos e tantos momentos... Foi bom estarmos juntos, falarmos, recordarmos o passado, conversarmos sobre a vida e constatar como os anos passaram e as alterações que foram surgindo: umas boas, outras nem tanto... A dada altura, inevitavelmente, fizemos um retorno ao nosso "grupinho" e vimos que, sem mágoa ou qualquer tipo de impossibilidade de nos juntarmos de novo para conversar, partilhar, rir e recordar, restávamos só nós os dois! Se há uns tempos me questionassem se achava que ia ser assim? Jurava que não! Para mim, aquele grupo de amigos iriam estar sempre juntos pois éramos de facto muito unidos. Mas a vida, o tempo, as circunstâncias e tantas outras coisas foram-nos afastando e hoje estamos assim, cada um na sua vida! A única coisa que me deixou relativamente triste foi o recordar de uma amiga que "está estranha", e assim constatar que afinal, este é um facto, uma verdade e não uma coisa que eu imaginava ser da minha cabeça... E hoje parece já ser tarde para pudermos intervir!
Enfim, mas tirando isso, foi boa a noite, foi bom recordar e é bom saber que há pessoas por muito que a vida os maltrate ou por muito que mudem por fora ou se transformem, o interior - aquilo que é a essência de cada um - se mantém igual e verdadeiro...
 

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Idiotices

Ora bem, já que estamos numa de palavras, hoje vamos a mais uma em que - para mim - o significado é sempre outro: Idiota
 
Significado: origem do grego idiotês, pessoa privada, indivíduo, homem comum, plebeu, leigo numa profissão, ignorante. adj. Que ou quem se mostra incapaz de coordenar ideias. Estúpido, imbecil, parvo, pateta. Que ou quem denota estupidez. Que ou quem apresenta idiotia (psiquiatria).
 
É bastante usual ouvirem-me dizer que fulano ou beltrano é mesmo idiota e até ouvir sobre a minha própria pessoa que sou muito idiota! Isto, aparentemente pode parecer mal a quem ouve e, bem visto, pode até ser ofensivo... Mas, "no meu dialecto" esta palavrinha é exactamente o oposto da definição dos dicionários de português... E significa, nada mais nada menos, que aquela pessoa a quem dirijo este elogio é possuidora de uma quantidade e/ou qualidade de ideias para lá do que é normal. E, como felizmente, tenho alguns amigos, colegas e conhecidos dotados desta capacidade, é normal eu andar de vez em quando a "chamar-lhes nomes"!
 
Também eu, com o passar dos anos e com a simpática influência dos que me rodeiam, me fui tornando numa idiota (leia-se detentora de ideias) e a verdade é que - mesmo em momentos de maior cansaço - esta cabecinha anda sempre a maquinar, inventar, planear e engendrar qualquer coisinha. E faço-o com tanto gosto! Por norma gosto de ser criativa, ser diferente, oferecer diferente, fazer coisas diferentes. Por exemplo quando tenho que oferecer um presente a alguém ou fazer uma surpresa (salvo raras rexcepções), gosto de adaptar sempre a oferta aos respectivos destinatários; gosto de pensar na pessoa e dedicar-me a 100%. 

 
 
 
Às vezes isto acontece de tal modo que, se pudesse e se desse para viver disso, acho que me dedicava apenas às minhas idiotices...

terça-feira, 23 de julho de 2013

O palavra ADEUS e o seu peso

Significado - Termo de polidez e amizade dirigido a alguém antes de uma separação mais ou menos prolongada. S.m. Despedida: dar o adeus, dizer o último adeus.

 
aDEUS - Muitas vezes gosto de a escreve deste modo. E, quando o faço, é porque entrego a Deus o que estou a escrever, o que peço ou desejo ou o que tentei transmitir na respectiva mensagem/e-mail/carta (sim eu ainda escrevo cartas!).

Por norma, esta é uma palavra que as pessoas gostam pouco de pronunciar e eu não sou excepção! (a não ser que seja da maneira acima referida) Sempre que penso nela penso como uma palavra associada a uma carga negativa, triste, amarga... E talvez por isso, quando a utilizo seja na escrita ou na fala é porque algo está menos bem, principalmente quando a dirijo a alguém que me é próximo. Nesse caso o melhor é acudirem depressa porque algo está azedo, ou vai pegar fogo, ou ainda estou a ser invadida por uma tristeza abismal. Contudo, às vezes esta palavrinha também surge para colocar um "ponto final" na conversa e nesse caso (na larga maioria das vezes) crer dizer "não me chateies, porque lá por tu seres um(a) idiota não quer dizer que eu mereça estar pr'aqui a levar contigo!"
 
Normalmente não me despeço das pessoas de quem gosto com um "adeus" faço-o quase sempre de forma mais amistosa, e em última instância com um simpático "xau" ou um "até logo"; isto porque sempre me disseram que nos devemos despedir das pessoas de quem gostamos de uma forma calorosa e com doces palavras, pois nunca sabemos quando será que voltaremos (e se) a ver essa pessoa. E eu, assim o tento fazer! Talvez por já ter perdido algumas pessoas de quem gostava particularmente, e por em todos os casos, nunca me ter conseguido despedir atempadamente, esta palavra de despedida é-me difícil de digerir, a não ser que seja um "entregar a Deus" e aí faz todo o sentido...
 
Mas, será que sou a única pessoa a ter esta palavra em tão má conta?

Nem mais!!!


segunda-feira, 22 de julho de 2013

Magia precisa-se!

Só queria que você percebesse tudo sem eu ter que dizer nada...
 

Escolher a melhor parte...

"Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: «Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.» O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.»" (Lucas 10, 38-42)
 
Andamos sempre atormentados. No decorrer de uma semana, a gravidade e quantidade de coisas que deixamos que nos preocupem um pouco, ou talvez muito, é verdadeiramente notável.
Como a pessoa obesa que, sem dar conta, petisca constantemente aqui e ali, espantando-se quando no final do dia verifica o quanto engordou, a maior parte de nós ficaria surpreendida se o peso das nossas preocupações pudesse também ser visível numa balança.
A preocupação rouba as melhores partes das nossas vidas, mas não tem que ser assim. É por isso que Jesus diz firmemente a Marta: “Andas inquieta e perturbada com muitas coisas; mas uma só é necessária”.
Temos a capacidade de escolher aquilo a que damos a nossa atenção. O desafio é ver e eleger o que é merecedor do nosso tempo e do nosso coração. Não desperdice a vida com aquilo que no fim se converte em nada. Deixe que Deus lhe mostre “a melhor parte”, a única “que é necessária”.

 

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Para pensar neste fim-de-semana...

 
Você pode ter sido criado na igreja,
pode ter sido batizado na igreja,
pode ter servido na igreja,
pode ser que até tenha casado na igreja,
 morrido na igreja
e ainda assim acordar no inferno,
caso você esteja meramente na igreja
e não em Cristo.
 
Desconheço o autor, MAS ESTOU TOTALMENTE DE ACORDO!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

#3 - Se há coisa que eu amo...

 São gatos e sapatos!!!
(só ainda não consegui ensinar aos meus gatos que me tragam os sapatos, mas está quase!)

O que a memória guarda, não há tempo que apague...

Ainda guardo a última rosa recebida...
o último beijo roubado...
o cheiro do último abraço...
 
Ainda lembro o último dia passado com quem partiu...
o último destino feliz, de muitos verões compartilhados...
a última conversa, de que ainda sei de cor, as últimas palavras...
 
Ainda identifico alguns perfumes que associo a pessoas do meu passado...
cheiros, a locais e momentos...
sítios onde vivi coisas inesquecíveis...
 
Vivo com um infindável número de recordações muito boas, tão puras, doces e felizes... E, talvez por isso, não esqueço quem já me esqueceu!
 

terça-feira, 16 de julho de 2013

Nós somos como um lapís com que Deus escreve os textos que Ele quer ditos nos corações dos homens.
 
 
 

Mais uma vez... a AMIZADE


 
 
Não sei se haverá no mundo sentimento mais gratificante que este!
E por muito que eu diga, que o tente defenir ou exemplificar acho que fico sempre muito longe da grandeza deste sentimento... A amizade é um pouco semelhante a esta imagem, pela amizade esticamo-nos ao máximo, fazemos as mais loucas acrobacias, aventuramo-nos e arriscamo-nos só para chegar ao coração do outro!

Mais uma batalha?

Ontem o telemóvel tocou, foi a irmã quem deu por isso. Era uma mensagem! Vamos lá ver... e o mundo caiu-me aos pés!
Se há pessoas que estão sempre à espera de uma má notícia, eu sou o oposto. Estou sempre à espera de uma boa notícia e quando estas não chegam, fico sempre muito abalada... Bolas!!! Que mundo tão injusto! Mas, e porque sou assim, mais adiante, já estava mais aliviada (devido ao adiantar da conversa) e comecei a ver, a pensar e a dizer que pode não ser nada e que vamos ter calma e acreditar, pois tudo correrá bem... Pelo menos é isso que eu desejo, que espero e que rezo!

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Será?




As (minhas) escolhas!

A vida é feita de escolhas e desengane-se quem pensa que pode ter tudo, pois sempre que se escolhe dar um passo em frente, inevitavelmente deixamos algo para trás. Faz parte!
Cada escolha acarreta sempre uma decisão mais ou menos dolorosa, e a dor está exactamente no momento em que as nossas escolhas nos pedem a abdicação do que até então nos parecia ser certo e duradouro. Só os fortes, os audazes e os maduros assumem as suas escolhas sem desmotivar perante as perdas. Foi (sempre) assim comigo quando fiz escolhas... E, se me arrependo?
Tem momentos em que bate a saudade, a tristeza, a carência, a solidão... e isso baralha, faz com que se pense nos "ses", com que queiramos ter de volta o que deixamos para traz... Mas, logo surge a lucidez que varre a casa e relembra que há valores, pessoas e objectivos por detrás de cada escolha que são o nosso alicerce, nos bons e maus momentos, e que é por eles que as coisas têm sentido. E se escolhi mudar é porque quis diferente...
 
 
As últimas escolhas tiveram este amargo do abdicar, mas foram a escolha certa!

Às vezes é assim...


terça-feira, 9 de julho de 2013

#2- Se há coisa que eu amo...

É dormir!
Pois "dormir é a melhor meditação"    
                                                                                                                   (Dalai Lama)

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Um modo de fugir

 
Às vezes mostro-me distante e fria, desvio o olhar e acabo por magoar quem (ainda) amo... Mas não o faço por mal. Faço-o porque não quero ser eu a sair, novamente, magoada!

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Mensagem enviada a uma "amiga" especial

"Acredito em Deus
acredito na cura
acredito em milagres
acredito que há finais felizes"
 
 

Balanço dos seis primeiros meses de 2013 - PARTE III

E rapidamente entramos em Junho, o mês que findou os primeiros seis meses do ano e onde decorreu o grande acontecimento do mês (quiça do ano!): o casamento de dois grandes amigos TM&PM (o M é de apelidos diferentes!). Este foi um casamento diferente e muito bonito que se traduziu num dia muito feliz, tal como já relatei aqui :)!

 Mas, Junho foi mais do que um casamento bonito! Foi um mês e tanto!!! Com este mês terminou um ciclo de coisas para em breve recomeçarem outras. E ainda bem que assim é! Neste mês, que felizmente já acabou, o cansaço e a falta de paciência para algumas coisas, situações e pessoas fez-se sentir em larga escala...

O mês começou logo em grande: mais uma campanha do Banco Alimentar! (Já faz parte de mim ser voluntária por esta causa, por isso é sempre uma alegria e um orgulho puder ser uma gotinha num oceano de voluntários a alimentar uma ideia tão nobre.) E esta campanha, uma vez mais - apesar de tudo - foi novamente um sucesso...

Depois veio a semana que antecedeu o casamento, o casamento e a ressaca do casamento... Os dias foram passando bem  tranquilos, para contrastar com os fim-de-semana cheios de frenezim. Estes passaram-se entre as inscrições para a peregrinação vicarial a Fátima, as inscrições para mais um ano de catequese e todo o reboliço inerente a um fim de ano na catequese e às antecipações na programação de um novo ano! Mas nada que já não seja habitual e ao qual eu não sobreviva...

Este mês deu tempo para tanta coisa, mas ao mesmo tempo tudo passou tão a correr. Em Junho para além do que já disse, ainda fui a Fátima (o que foi bom e diferente ao mesmo tempo), terminei a catequese sem grande alarido, revi amigos, tomei (difíceis) decisões muito importantes e redefini prioridades, voltei ao IPO e a ser sobressaltada por antigos sustos, mas também fui (fomos) presenteados com uma lua para lá de espectacular e com a chegada do verão e do calor! E com a chegada destes dois chegam também as tradicionais feiras e festas de aldeia que são uma delícia... E como tal, nada melhor do que terminar os seis primeiros meses de 2013 em beleza, nessas ditas feiras e festas com muita animação, rizada, amigos e a ginjinha d'óbidos em copo de chocolate.
 
FIM!!!
 

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Se não fosse tão grave ainda dava para rir...

O estado a que o meu país chegou!
Não sou uma pessoa de me impor na politica, de opinar ou de me indignar. Mas, há limites e acho que estamos perto de ultrapassar todos os limites... O que vai safando o governo é o facto de sermos um povo pacifico (sim! digam o disserem somos pacíficos, e demais!)... Isto é de fugir!!!
Primeiro todos os apertos, os cortes, a troika, os sacrifícios, a TSU e um sei lá mais o quê... Agora este filme, que se não fosse tão grave ainda dava para rir!
O Vítor Gaspar abandona o barco e é substituído por alguém à altura (pelo menos ao nível da polémica). João Semedo afirma que a tomada de posse da nova ministra das finanças lhe fez lembrar o Titanic "o navio a afundar e os músicos ainda a tocar"... Paulo Portas, alegadamente sem avisar, resolve pedir a demissão e se não houver o Paulo Portas não há coligação, se não há coligação não há maioria absoluta e se não há maioria absoluta... O que há?
Há um primeiro ministro que não abandona o seu país e que teima em permanecer de pé! E isso é bom? Ah!!! Esperem lá, que ainda há um presidente da república, qual "bela-adormecida"... Certo, certo é que quando um navio se afunda os ratos são sempre os primeiros a saltar borda fora.
E assim sendo, não me parece que, o que estiver para vir seja ele qualquer outro governo ou outro partido que venha transformar este país num paraíso... E nem com um Seguro a coisa parece ser certa!
Enfim isto é de bradar aos céus! E que nos valha o céu e a protecção divina, pois caso contrário coitadinhos de nós, portugueses.