terça-feira, 29 de abril de 2014

Pessoas que me fazem falta...


Nomes e coisas...
As minhas manas: a de casa que está irreconhecivel e a do coração com quem já não estou há algum tempo...
Os/as amigos/as de infância. E são tantos! São incontáveis os que me fizeram rir, divertir e ser a pessoa que sou hoje. Amigos que a vida afastou, amigos que o tempo levou, mas que não se esquecem. Amigos que de vez em quando voltam ao pensamento e, de quando em vez, vou reencontrando por ai... Merecem destaque: R.E. (aquele ser incrível que em boa hora surgiu na minha vida! E que eu adoro muito...), S.P. e I.A. (as mais malucas e divertidas amigas de sempre), T.D. (um grande amigo do passado que desiludi), E.G. (a amiga sempre presente que mudou) e tantos, tantos outros....
Os amigos mais recentes que, pelos mais diversos motivos, estão longe...
Os amigos, companheiros e colegas que estão perto. Mas que, por motivos diversos, eu vou sentindo sempre saudades...
As pessoas que a vida me levou e que só voltarei a ver no último dia...
Aquela mão de pessoas que nunca cansam, que podiam estar sempre e que, embora estejam comigo todos os dias, tenho sempre vondade e saudade para mais...
A infância, as brincadeiras infinitas no campo, a casa no pinhal e as aventuras na cabana, as inúmeras idas de primos à praia e as férias, as noites de verão com toda a família a jogar às escondidas, as festas com tão pouco, a minha querida Glorinha e o cheiro do "farelo com couve que" dava-mos aos coelhinhos em sua casa... E tanto, tanto mais...

A new beginning :)


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Palavras (e muito mais!) que marcam :)

Existem pessoas, palavras e gestos que marcam a vida da gente de uma forma tão simples e genuína que fazem com que valha a pena tudo o mais...
OBRIGADA! A palavra que me foi dirigida e que, naquele preciso momento, me soube tão bem. Não para mérito próprio, mas pelo aconchego após o cansaço. E, como é algo que digo tanto, e recebo tão pouco, sabe bem quando chega.
Um ABRAÇO e muitos SORRISOS sinceros de felicidade. É bom quando podemos receber destes gestos pequenos e puros. E todos os que pude receber, contribuíram um pouco para me aquecer o coração que, por acaso, anda cansado e meio perdido.
A AMIZADE que vejo na simplicidade das coisas e nos gestos puros são uma crescente nas minhas relações... Podem não ser das melhores do mundo, nem das que serão eternas.. Mas, neste momento, no hoje da minha vida, enchem-me a alma de uma grande satisfação, puder ter amizades novas, simples, puras e breves. Já para não falar, daquelas amizades de sempre e que para sempre estão comigo, pois dessas por muito que fale, faltam sempre as palavras!
Uma NOITE que foi muito diferente de todas as vividas até então, uma noite que era desejada há muito e que soube bem, cheia de gestos de carinho, de conversa e palavras boas. Talvez não se torne a repetir por isso fica a marca positiva.
E no fim o CANSAÇO! Aquele que chega no final de tudo! Mas, desta vez, até é um cansaço bom...

Não gosto! #15

Do "eu disse-te" da minha mãe :(


Não é que não goste que Ela tenha razão. O que eu não gosto é que seja necessário Ela dizer-me isto... Pois estas duas palavrinhas, quando proferidas pela minha mãe significam muito! Significam que me enganei (de novo!), que não acreditei na sua palavra, que dei oportunidades a quem não devia, que não conheço assim tão bem as pessoas... No fundo significam que ainda não sei viver "sozinha" neste mundo!

quarta-feira, 16 de abril de 2014

"eu também estou cansada"

Nos últimos tempos é frequente alguns amigos, conhecidos ou pessoas com quem trabalho, virem dizer-me que estão cansados. E é por isso que faltam a compromissos, que não aparecem em coisas combinadas, que adormecem, que se ausentam simplesmente. Pois bem, eu também estou cansada!!! E ainda assim não deixo de cumprir com as minhas obrigações...


Estou cansada não dos inúmeros compromissos e coisas que tenho para fazer, porque isso dá apenas um cansaço físico que o corpo estranha, mas que depois passa. Estou cansada da irresponsabilidade das pessoas, da falta de empenho, da pouca inter-ajuda, da má gerência de prioridades, da ausência de sentimentos de amizade e carinho, da estranheza e inércia perante os outros. Estou cansada de um mundo onde as boas coisas se tendem a perder...

segunda-feira, 14 de abril de 2014

PARABÉNS

Foi há 4 anos que dei início a esta aventura... 
E, embora tenha estado ausente durante um ano e dois dias deste espaço, sinto que foi ontem que comecei a largar por aqui algumas palavras soltas que diziam tão pouco de mim e, já passaram 4 anos! Tanta coisa mudou por aqui: eu, a minha escrita, as minhas prioridades, o n.º de pessoas que conhecem este meu espaço...
Não estou aqui (sem ofensa aos que aqui passam frequentemente!) por ninguém, estou por mim! Porque adoro escrever, porque sinto necessidade "desta terapia" e porque gosto muito deste meu "cantinho".
Ter um blog tem as suas coisas boas e as suas coisas menos boas, mas eu felizmente nem me posso queixar! Este espaço nunca me trouxe grandes dissabores, mas também tenho consciência do que aqui publico. E quanto a isso, posso garantir que em quatro anos as publicações sofreram grandes alterações, agora sou mais eu a escrever. Foram quatro bonitos anos! E quantos anos mais durará este espaço? Não sei!!! escreverei enquanto me sentir bem - toda a minha vida - quer seja aqui, quer seja num outro local qualquer... Para já gosto muito destes quatro anos de palavras soltas!...

Um amigo que irradia boa disposição!


Porque a minha vida é um pouquinho mais feliz com o facto de puder ter amigos assim: felizes, animados, bem-dispostos, que contagiam pela alegria e o modo simples de pisar o palco da vida.
Quanto ao Lestre, acho que será sempre uma criança grande!
Junto dele ninguém pode estar triste.
Parabéns, amigo!!!

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Breves sensações


abandonar?

Ontem à noite, num momento "estranho" passou-me pela cabeça (acho que pela primeira vez!) a séria ideia de abandonar tudo... Nos últimos tempos o cansaço, o desanimo e o desalento que vejo em certos olhares têm sido demais. Tenho pouca vontade de continuar... E a verdade é que também me falta algum apoio, quer físico, quer espiritual para ver as coisas com maior clareza. Mas, o que aqui importa registar é que a ideia veio até à minha mente e, quem sabe esta não é uma coisa, a considerar num futuro?!

quarta-feira, 9 de abril de 2014

1# - Alguém me oferece?

Ando há algum tempo a pensar nuns sapatos brancos e estes são tão lindos, não são?
E o melhor é que não são apenas uns simples sapatos brancos, são uns sapatos que dão com um montão de cores! São mesmo lindos! Têm apenas uma coisinha "menos bonita": o preço (qualquer coisa como 940€)!!! São uns Louboutin, senhores!!!

Pigalle Spikes Red Sole Pump



Um dia... Um dia o meu pezinho há-de calçar Christian Louboutin!

Só porque sim #3


terça-feira, 8 de abril de 2014

Mãe!!! Encontrei a solução!

A minha mãezinha sempre que me vê passar por perto de uma sapataria ou quando chego a casa com uma caixa de sapatos desespera. É que, segundo ela, já não há espaço lá em casa para tanto sapato! Ela é um pouco exagerada, mas acho que hoje encontrei a solução...


Futebol

Eu não sou nada de futebol, percebo pouco ou nada, vejo ainda menos e são raras as vezes em que perco 90 minutos do meu tempo para o assunto. Mas, a verdade é que me corre sangue vermelho nas veias e até gosto bastante de ganhar!
Por isso, para todos os amigos de outras cores (tipo verde e azul), deixo aqui uma bonita imagem...


que fala por sí mesma!

?


sexta-feira, 4 de abril de 2014

Agora sabia mesmo bem #7


Puder aninhar-me (com uma boa companhia) num sofá qualquer a ouvir a chuva que bate na janela.

Planos para este fim-de-semana - parte 3


As marcas que ficam..


 - Escreve numa folha de papel "eu já não te amo mais".
 - Já escrevi, e agora?
 - Agora pega a borracha e apaga. O que aconteceu?
 - Apaguei o que estava escrito, mas a folha ficou marcada.
 - Pois. É assim que acontece com as palavras que nos machucam, nós podemos fazer de tudo para apagar, eliminar, deletar, mas não dá para esquecer. Fica para sempre a marca!

Planos para este fim-de-semana - parte 2


Planos para este fim-de-semana





Dormir...

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Mudei!!!


Um ano!
Tanta coisa mudou no espaço de um ano...
Crescí muito, sofri e chorei o suficiente, mas venci e hoje sou uma mulher com um pouco mais de força! Com mais garra, com mais confiança, com mais fé...

Há um ano escrevia assim:


E hoje, um ano depois, o que mudou?

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Uma busca de hoje, no ontem e no amanhã


Tia em desespero #5

Por muito que faça, por muito que me esforce, por muito que esteja presente e agora mais do que nunca... Por muito que o ame, por muito que o queira proteger, por tudo o que faça por ele, com ele e para o bem dele, NUNCA vou puder apagar a ausência, a saudade e o facto dele precisar de uma mãe!


A família a gente não escolhe... 
Tenho muita pena do meu ratinho ter esta "falha" na sua vida, mas um dia ele vai perceber e aceitar! Pelo menos eu vou esforçar-me para que tal aconteça. Não posso ocupar um lugar inocupável, mas posso tentar ser a melhor de todas as tias! :)

Não gosto! #14

Que avaliem as pessoas pela sua aparência...


Sobretudo quando essas pessoas são minhas amigas!

Só porque sim #2


TUDO a ver cmg :)

terça-feira, 1 de abril de 2014

Há coisas que nem o tempo apaga!

Existem coisas na vida de uma pessoa, que ficam para sempre! E que nem o passar do tempo as consegue apagar... Infelizmente (ou não!) sou uma pessoa com uma grande capacidade em armazenar sentimentos, recordações do passado e sensações de outrora.
Na vida há sempre coisas muito boas, boas e outras tantas, ditas menos boas, para guardar. Mas, a capacidade de armazenar nem sempre depende da nossa selecção, pelo menos a minha não depende! Se fosse capaz, guardava apenas as coisas boas no meu melhor baú de recordações... Contudo, também há coisas do passado que nos ajudaram a crescer e ensinaram algo, e essas até convém mesmo guardar! Mas outras há, que podíamos fazer "delete": as que nos transmitem insegurança, medo, instabilidade e qualquer tipo de receio ou outro sentimento mais atormentador. Uma dessas coisas, é um certo tipo aperto que dá no peito quando conhecemos uma pessoa e de repente, algo nos diz que "ela não presta", sentimento esse que assusta, que permanece e que nada, nem ninguém, nem mesmo o tempo apaga...


Hoje revivi isso ao tornar a ver uma pessoa do meu passado. O tempo não apagou o "facto de não conseguir" gostar dessa pessoa! Incomoda-me o simples facto de como me olha... E o pior é que essa pessoa vai passar a fazer parte do meu presente... Será mais um sentimento a digerir todos os dias!

Só porque sim #1


Finally