segunda-feira, 30 de junho de 2014

Planear algo? Não! Nem por isso...

3 décadas...
30 pessoas...
30 planos...
30 ideias...
30 desejos...
30/30 - casar "os anos"...
30... 30... 30... 30... 30... 30...

A 30 dias de completar 30 anos de existência, não vou reunir 30 pessoas, nem tenho 30 planos em mente, nem 30 ideias para festejar, nem 30 desejos a concretizar e nem me lembrava que este ano "caso os anos"! E para ser muito sincera não estou a pensar dar real valor à data ou ao facto de fazer 30 anos! Na verdade não quero nem saber... São 30 que na verdade parecem bem menos! Para o dia e por enquanto, não tenho planos e o mais certo é passá-lo de papo para o ar. Este ano não haverá planos, festas, jantares, pessoas, locais ou o que mais seja dito normal. Porque todos os dias são dias bons para festejar, vou fazer dos 30 anos 365 dias de festas, jantares, pessoas, locais especiais...

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Uma nova história que se repete e o que mais existe para viver...

Passaram-se dez anos! E hoje antevejo que a história se possa tornar a repetir... 
Passaram dez anos, mudam os protagonistas, mas o actor principal (neste caso eu!) é o mesmo. E a história volta a ser a mesma. Dizem que o passado volta sempre para nos confrontar. Será isso? E, será que desta vez, o final será diferente? Sinceramente tenho esperança que sim, que não seja tudo igual… Bem lá no fundo desejo ardentemente não tornar a passar pelo mesmo, mas - tal como há dez anos atrás - eu sei qual será a conclusão… (embora queira muito ser surpreendida!)
Estes dez anos foram tanto tempo, foram tantas as coisas vividas, as histórias e as aventuras, as loucuras, os medos e as entregas... tanta coisa partilhada, vivida, experimentada, saboreada e aproveitada como se não houvesse amanhã… coisas tão boas que espero nunca vir a amaldiçoar! Seja qual for o fim desta nova história só desejo nunca me arrepender de nada do que fiz ou do que deixei por fazer… (como hoje faço em relação ao passado!)
Mudei muito ao longo destes dez anos, cresci, tornei-me mais livre, mais responsável, mais prudente... Mas também menos capaz de confiar nas pessoas, menos menina, menos risonha, menos alegre, menos sonhadora... Como acontece sempre, e apesar de tudo, o tempo foi passando, a dor foi-se diluindo nos dias que tomaram o seu rumo tão seguidinhos uns atrás dos outros… E hoje, passados dez anos, sou um reflexo daquilo que sempre sonhei ser! Sobrevivi àquela triste história, mas continuo tão verde, tão insegura, tão pouco experiente nesta matéria. E, quando estou só, continuo tão frágil e tão forte ao mesmo tempo…

Num livro de Paulo Coelho (O Zahir - que por sinal gosto muito!) li, talvez perto dessa data recuada há dez anos atrás, algo que até hoje ficou cravado na minha memória como uma estaca e que sempre que recordo esta história, me vem à cabeça como que a crer "assombrar" os meus dias... Era qualquer coisa  mais ou menos assim:
"Segundo as práticas mágicas dos feiticeiros no norte do México, existe sempre um evento em nossas vidas que é responsável pelo facto de termos parado de progredir. Um trauma, uma derrota especialmente amarga, uma desilusão amorosa, até mesmo uma vitória que não entendemos direito, termina fazendo com que nos acobardemos, e não sigamos adiante. O feiticeiro, no processo de crescimento da sua conexão com os poderes ocultos, precisa primeiro livrar-se deste “ponto acomodador”, e para isso tem que rever a sua vida, e descobrir onde está. Em um determinando momento de nossas vidas “chegamos ao nosso limite”. Não devemos mais mudar. Não conseguimos mais crescer. Tanto a profissão como o amor atingiram o seu ponto ideal, e é melhor deixar tudo como está. Verdade? A verdade é a seguinte: sempre podemos ir mais longe. Amar mais, viver mais, arriscar mais. Nunca a imobilidade é a melhor solução. Porque tudo à nossa volta muda (inclusive o amor) e precisamos de acompanhar este ritmo."

Durante algum muito! tempo julguei que aquele episódio, acontecido na minha história de vida pessoal há dez anos atrás, era "o meu ponto acomodador". Aliás ainda hoje, quando me vou abaixo, acredito que sim! Acredito, com todas as forças, que "o meu problema" está – ainda! – por resolver naquela estranha tarde de Agosto há quase dez anos atrás... Naquele dia, e nos longos tempos seguintes, fechei-me em mim mesma e recusei-me a seguir em frente naquele campo estranho que era a vida assim vazia e, aparentemente, sem qualquer sentido para mim. Depois, muito lentamente, libertei-me dos medos, tentei esquecer a dor e continuei - devagarinho - a viver a vida que a partir dali seria (achava eu) para sempre incompleta e tão diferente. Foi apenas diferente!

Mas, qual fénix das cinzas renascida? Como em tudo, acabei por dar a volta à questão e ergui-me! E hoje sou um pouco melhor por isso… Contudo, reconheço que, tarde demais me libertei "daquele peso" e tarde demais reaprendi a acreditar... E talvez por isso, foram muitas as recaídas e "cheguei ao meu limite" vezes sem conta... Mas, o tempo - que para mim foi demorado, mas muito precioso - mostra-nos sempre que podemos ir mais além... amar mais... viver mais... arriscar mais... acreditar mais...
E foi isso que eu fiz, numa boa parte destes dez anos da minha vida... Mas hoje? Hoje, receio que tudo torne a acontecer! E eu não consigo voltar ao mesmo, passar pelo mesmo processo, longo, penoso e doloroso... Não consigo! E recuso-me a que assim seja! E depois, há uma agravante desta vez na história, é que eu já não sou aquela jovem pura e sonhadora. Hoje tenho mais dez anos de vida e não vou voltar - e perdoem-me a brutidão do termo! – a desperdiçar outros dez, cinco ou dois anos que sejam com uma nova história igual. A história terá obrigatoriamente que ser diferente!

  
Hoje, volvidos dez anos, sei que tudo passa, sei que esta história será o que tiver que ser, sei que há coisas que, por muito semelhantes que sejam, nunca serão iguais, sei que nada se vive duas vezes do mesmo modo, sei também o que ajuda a evoluir, a ultrapassar e a vencer barreiras. E sei também o que nos aprisiona ao acontecimento, bem como o que nos liberta dele! E, embora mantendo a ínfima esperança de que me possa surpreender com o rumo das coisas, se tudo terminar de igual modo eu vou seguir em frente e acreditar que há mais… há mais para viver, para arriscar, para acreditar e - quem sabe? - para amar…

4# - Alguém me oferece?

Não sou muito de pedir as minhas próprias prendas, e sobretudo desde que tenho pandora (uns tempinhos portanto!) que peço por tudo para não me oferecerem sempre o mesmo! Mas gosto tanto destas contas...

Tem algo a ver comigo...
Fiquei apaixonada! É mesmo lindo :)
É nestas pequenas coisas que lamento
não ter quem me possa oferecer
presentes destes!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Eis (parte) da resposta para este aperto...

Felizmente sou uma pessoa lutadora, forte e destemida. É verdade que a opinião dos outros me afecta um pouco, é verdade que me incomoda que falem de mim e também é verdade que fico triste com certas coisas que me fazem ou que deixam de fazer por mim ou pelos meus. Mas, se há coisa, que eu aprendi com todas as coisas menos "boas" que me têm feito é a sobreviver! Eu tenho nota 20 em matéria de sobrevivência! Pois já sobrevivi a tanto e a tantas coisas tão dolorosas que, não é mais um golpe baixo de qualquer tipo de "amizade reles" que me derrubará... Posso até ficar triste, posso ficar sentida, posso não conseguir perdoar tão cedo, posso resmungar e espernear, gritar com quem não devo, mas não me dou por vencida e prova disso é que serei sempre melhor do que certas pessoas!
Contudo, há algo que eu não consigo fazer e, às vezes, gostaria de conseguir: que é pagar da mesma moeda! Sou incapaz de fazer aos outros o que os outros me fazem a mim. Sou incapaz de dizer não a quem precise, mesmo que momentos antes me tenham feito algo de menos bom. (Aliás, está para nascer o amigo, o colega ou o conhecido a quem eu tenha prejudicado, e se o fiz não tenho conhecimento e não foi propositado) 
Muitas vezes prejudico-me a  mim mesma em prol do outro, mas prefiro assim do que ter problemas com a minha consciência! Porquê que, ainda, há pessoas que só olham para o seu interesse?

Nem tudo são más notícias :)

Este estudo recente diz que as mulheres que são mães, sem qualquer tipo de tratamento depois dos 33 anos duram mais tempo, podendo mesmo chegar aos 95 anos de idade. Mãe ainda tens - NO MÍNIMO - mais 25 aninhos para viver!!!

Que assim seja. Amén!

Só isto te peço!


E assim a nossa história fará sentido!

Um aperto estranho

Ontem, depois de uma noite em que os nervos andaram à flor da pele, fui para o quarto, vesti o pijama e comecei a sentir-me estranha, esquisita... Fui fechar as portadas, olhei para a imensidão escura lá fora e veio-me um aperto no peito, o mesmo que permanece até agora. Deitei-me, agarrei a almofada com força e assim adormeci... Não sei de onde veio este aperto, mas ele permanece. Não é tão forte, nem tão estranho como ontem, mas teima em fazer-se notar e incomoda. O que virá para ai?  

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Vale a pena pensar nisto e viver assim...

"A minha felicidade é tanto maior quanto mais for construída na base de eu ser agente da felicidade dos outros. É assim na vida em geral, no casamento, nas relações familiares... Foi essa a grande novidade de há 2000 anos e não se trata de um embrulho nem visa vender qualquer produto. É a vida, vivida de outra forma, longe do mainstream dos dias de hoje." 
Fonte: http://www.snpcultura.org/a_lingua_de_miley_cyrus.html

sábado, 21 de junho de 2014

Porquê complicar a vida?


#12- Por onde andam os meus pés?

Hoje depois do trabalho, tinha manicure e pedicure marcada no local habitual e a minha querida P. não se esqueceu de algo que ando há montes de tempo para fazer e para variar nunca tenho tempo... Desde que ela comprou aquele simpático aparelho que eu andava tentada a fazer uma desintoxicação às minhas células e hoje foi o momento para tal! De seguida apresento-vos os meus pés a fazer uma Desintoxicação Iónica...

AS IMAGENS QUE SE SEGUEM PODEM SER CHOCANTES!!!

Ao início (observem a cor da água!)
A máquina que estava ligada à água e ao meu pulso.

A cor da água ao fim de 10 minutos

E o resultado ao fim de 30 minutos de tratamento era este! :o

Em breve prometo fazer mais uns textos sobre este assunto, mas para já pela cor da água posso dizer-vos que tenho mais toxinas acumuladas no fígado. Os sintomas associados a esta bonita cor são também más digestões, dificuldades intestinais, inchaço do estômago e retenção de líquidos. Também o stress, o cansaço e a sensação de não ter forças. Bolas bateu tudo certinho!

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Uma aventura adiada :/

Se a minha vida não fosse o turbilhão de compromissos que é, e se eu conseguisse não colocar sempre os outros em primeiro lugar, agora eu teria tempo para realizar as coisas que programo e que há muito quero fazer... Mas como não tenho "cura à vista" e também porque não podia não estar presente em mais um almoço especial, vejo-me obrigada (no bom sentido!) a ver mais uma aventura adiada. E, quase com toda a certeza, que esta já não se realizará antes dos 30 como eu, tão bem, tinha planeado, mas o sonho comanda a vida e, esta aventura fica apenas adiada, não anulada! Um dia lanço-me de um avião...


Quando? Quando a agenda o permitir, claro! :)

#5 - Sonhos em silêncio

Quando há uma pessoa que lê o que escreves e gosta muito, sugere, aconselha, elogia... Tu sentes-te feliz! Mais do que felicidade é um misto de orgulho, carinho e conforto pelo trabalho realizado, tantas e tantas vezes, em jeito de brincadeira ou como um mero apontamento de uma vida a transbordar de sonhos. Contudo, quando essa pessoa que te elogia, te é muito querida, ficas sempre com aquela  coisa do "há isso dizes tu porque gostas de mim!"... E com isso o tempo avança... E uma pessoa segue o caminho achando que "estas" palavras soltas, não são mais do que isso mesmo!
Só que há momentos em que, já não é só uma ou outra pessoa, passa daquela que te é querida... E aí, o bichinho que de faz deitar cá para fora todas as palavras fica em êxtase! Não pelos elogios ou pelo quanto pode agradar um cem números de palavras bonitas que nos dirigem, mas pelo facto de que é um sonho semi-realizado, isto do escrever para os outros.
Ontem duas pessoas tão diferentes, mas de tão grande valor, referiram-se a estas palavras que por aqui lanço de uma forma que me despertou um sonho...

"aliás menina, tu escreves muito bem! É um dom. Parabéns!"
"Qualquer dia tens de pensar por isso em livro"


Quem sabe? Quem sabe se um dia, não tenho o meu livro "a sério" e estas palavras soltas não se juntam todas e ganham um sentido, passando a ser mais do que aquilo que são hoje? 
(Se esse dia chegar, fica prometido que essas duas pessoas - G.P. e J.A. -  estarão comigo nesse dia...)

quinta-feira, 19 de junho de 2014

#21 Conversas

 - Então tia, hoje sempre me levas àquele sítio que combinamos?
 - Levo, mas tens que começar a pagar!
 - E pago...
 - Pagas a gasolina? É que eu ando a fazer de taxista para ti já há muito tempo, passa para cá o guito!
 - Mas eu não tenho dinheiro...
 - Então e agora?
 - Agora paga a tia!
 - Deves pensar que eu sou tua mãe!
 - Por acaso, era bom que fosse...
 - Era?
 - Era. Eu gostava que a tia fosse minha mãe...


Já dizia o poeta


A loucura saudável...

Nossas loucuras são as mais sensatas emoções. Tudo o que fazemos deixamos de lembrança para os que sonham ser um dia como nós.
 Loucos... Porém felizes!


Medo dos efeitos colaterais

Encontrei as respostas, a todas as indecisões...

Vem sexta, vem...


quarta-feira, 18 de junho de 2014

Alguém sabe interpretar sonhos?

Com a chegada do fim-do ano escolar, e sobretudo do pastoral, os dias tornam-se mais calmos... Tenho menos coisas (à excepção do trabalho!) para fazer e ando francamente mais tranquila. O cansaço que se acomodou nos últimos meses tende, devagarinho - porque nem tudo é perfeito - a ir-se embora e assim a vida começa a "correr" mais calmamente. Contudo, porque nunca nada é perfeito, já há alguns dias que algumas coisas me atormentam... Há varias noites que sonho e, estranhamente, lembro-me desses sonos.
Todas as noites tenho sonhado muito, sonhos estranhos, agitados, muitas vezes sonho com problemas, situações conflituosas e sobretudo - e isto é que me incomoda - sonho sempre com pessoas do meu passado... Pessoas que, pelas mais variadas razões, já não estão na minha vida e com as quais já pouco ou nada falo; pessoas que hoje reconheço que não me trouxeram nada de novo ao que sou hoje, mas que ainda assim estiveram comigo nos mais variados momentos. Pessoas que não odeio, a quem não desejo nada de menos bom, mas que simplesmente hoje estão longe e de quem não tenho necessidade alguma de reaproximação. Por isso, questiono, mas porque raio andam elas a habitar os meus sonhos?

Inversão de valores!!! :)


#21 - Dicas para o homem perfeito

O homem "dito" perfeito não se mede aos palmos, mas que o tamanho conta, ai conta!
Quem é a mulher que não gosta de um bonito salto alto? E qual o homem que não gosta de uma mulher de saltos? Ou então, qual é o homem que gosta de "ser o porta-chaves" de uma mulher? Por isso, convém que o homem seja mais alto que a mesma! Vá uns milímetros que sejam, nada deste exagero! :)


segunda-feira, 16 de junho de 2014

3# - Alguém me oferece?

Porque será que um perfume não dura para sempre?


Gasto dois destes por ano... 
O primeiro deste ano acabou! 
A boa notícia? É que faço anos em breve! A má é que não consigo esperar até lá! O meu Paco Rabanne faz-me tanta, tanta falta... Alguém quer ser simpático/a?

17h - O país parou...


Neste preciso momento o país parou, toda a gente à frente da Tv a ver o jogo e eu...
... a trabalhar!
Não amo o futebol, mas é a selecção... 
E até preferia estar num esplanada qualquer a ver o jogo!
Nada contra o meu trabalho, sim!

Vamos mudar o mundo???


domingo, 15 de junho de 2014

Os meus melhores textos :)

Reparei à pouco que há aqui no blog textos que não esqueço, textos que são eternos, dos quais me orgulho muito e que considero mesmo, os meus melhores textos! Textos que foram escritos, não com palavras, mas com sentimentos. E que têm sempre um destinatário... 
Aqui há uns tempos, ao publicar um destes textos, o seu respectivo destinatário elogiou-me bastante, dizendo mesmo que o ia guardar para ir lendo, pois para além de gostar da minha forma descritiva de escrever, sentia os mesmos sentimentos que eu ao ler tais palavras... Fiquei feliz por saber que as minhas palavras marcam! Até porque estas marcam-me muito...

Dedicadas à minha irmã... (o mais recente!)
Àquela que é, e será sempre a pessoa mais importante da minha vida, a minha mãe...
A um amigo especial...
À minha melhor amiga, aquela que é também uma irmã do coração...
Ao meu pai...
Aos os meus meninos...


sábado, 14 de junho de 2014

...beijos profundos


Fico-me pelas três primeiras opções!
 GOSTO de beijos profundos, 
entro em algumas boas aventuras estranhas,
perco-me em conversas aleatórias,
mas recuso-me a fazer mais caminhadas sem destino!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Só porque sim #5


Agora sabia mesmo bem #8


Ter um colo amigo para deitar a cabeça e esquecer  
- ainda que por breves instantes -
algumas dores do meu mundo...

Uma dor de hoje, maior que a de ontem, e menor do que a de amanhã...

Tenho a minha irmã doente há exactamente (desde que soubemos!) 18 meses e 6 dias...
E ao longo deste tempo todo já passei por tantas coisas que, quando olho para trás, ainda não acho possível! Ainda existe tanto por responder... Mas como é que tudo aconteceu? Como? Tão depressa e sem dar-mos por nada? Ela estava tão bem... E, como fui eu capaz de superar tudo? Como sobrevivemos a isto? Como será daqui para a frente? Que marcas ficarão para sempre?
Não há respostas! Há apenas um vazio. Uma sensação de insegurança. Um aperto para sempre suspenso num "se" que nos corroí por dentro, todos os dias. E, já passaram-se exactamente 553 dias!


Hoje, lembro-me das coisas como se estas tivessem acontecido há instantes, coisas essas que, passe o tempo que passar, nunca vou esquecer: lembro-me do telefonema frio da minha mãe a dar-me a notícia... da sua expressão indescritível quando cheguei a casa nesse dia... da consulta antes do internamento... do dia do internamento e de todos os 45 intermináveis dias passados naquele hospital... lembro-me dos domingos e destaco o primeiro em que lá estive "fechada" a fazer-lhe companhia... lembro-me dos corredores, das escadas, das janelas, dos jardins, dos cheiros, das pessoas, dos olhares, dos sentimentos, da vista da sua janela, dos sons, do medo... lembro de dar a notícia a um grande amigo e do seu olhar inconformado e incrédulo perante o que eu lhe estava a dizer... lembro do telefonema choroso, em que a minha amiga T.M., me deu toda a força do mundo... lembro-me (e gostava de esquecer!) de quando as coisas se complicaram, de a ir ver ao pós-operatório cheia de medo de que Ela já não me pudesse ver mais... lembro-me das inúmeras lágrimas amargas que chorei... lembro-me da noite de 8 de Fevereiro e da manhã do dia 9 de Fevereiro de 2013... lembro de muitos gestos, de pessoas, de palavras que foram  - quase todos (pois há algumas perfeitas bestas por aí!) - de grande ajuda, força e compreensão... lembro de ter sido a pior e a melhor enfermeira que as minhas forças deixaram... lembro-me dos tratamentos um-atrás-do outro... das suas dores... Mas sobretudo, lembro-me de como ela era antes de tudo isto acontecer e hoje já nada existe! Pois nada, nunca mais, será como antes...
Desde o choque inicial de quem recebe uma notícia improvável, passando pela resistência de quem sabe ou quer saber! que vai correr tudo bem, pela transformação de tudo em nossas vidas, pela luta (quase sempre injusta e inglória!) até chegarmos onde estamos hoje foi um caminho duro, sofrido, cheio de provas... Um caminho que ainda hoje me parece irreal! Um caminho sem fim à vista e com um sofrimento que fere todos os dias um pouquinho mais...

quinta-feira, 12 de junho de 2014

2# - Alguém me oferece?


Quero muito!!! Só porque o número é redondinho, porque é muito significativo e porque está quase aí a chegar... Ah e também porque é bonita e porque ficava mesmo bem na minha pulseira! :)

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Só nós!


Não gosto! #16

Que me mostrem má cara por descordarem com as minhas decisões. Sou eu quem vive a minha vida e em último caso quem sofrerá as consequências sou eu!


Se rir, quero que riam comigo. No entanto sei que se eu chorar só fica a meu lado aquela que se importa de verdade comigo. Não exijo nada de ninguém...

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Hoje (re)descobri o amor :)

 
Eu, com o passar dos tempos, felizmente tornei-me bastante mais observadora e hoje enquanto falavas comigo, olhava-te com muita atenção e vi coisas que nunca havia visto antes... Mas, sobretudo, foi o que senti ao olhar-te que me fez estremecer, sentir algo novo, maravilhoso. Foi tão diferente e tão bom que se não é amor, que mais poderá ser?

E se recebesses um chucha...

o que farias???


#19- O que dizem de mim

"És a melhor amiga do mundo, adoro-te mto mto mto de coração. Obrigada por fazeres parte da minha vida"
T.M. :)

Um dia sem telemóvel e as suas consequências...

Alguém sabe o que é estar um dia inteirinho sem o telemóvel? Tipo das 9h às 22:30h? Sabem o que isto é? 
Pois bem eu sei!!!


Ontem consegui a proeza de ir para a Zambujeira do Mar sem o meu amigo telemóvel!
A verdade é que não teria feito grande diferença se eu soubesse um número que fosse de cabeça, mas para além do meu (que vale de muito diga-se!) não sei, nem tenho em lado nenhum o número de ninguém... Portanto ligar a dizer cheguei bem ou "estou viva" foi uma grande aventura! Já para não falar de que o meu bichinho nunca se cala, por isso quando nos reencontrasse-mos haveria de ter um montão de chamadas e mensagens para retomar.
Valeu-me estar em família e, sinceramente, nem senti a falta! 
Mas é triste perceber que não tenho memorizado na minha pobre cabeça um número que seja, e sendo assim acho que o melhor é apontar assim um ou outro na agenda, para o caso da cena se repetir!

Fui feliz este fim-de-semana :)

Este fim-de-semana foi tão, mas tão bom... E não, não pensem que passei o fim-de-semana a jiboiar, de barriga para cima no sofá ou na praia... Nãhhh!!! :) Nada disso, foi muito melhor, foi trabalhoso mar super bom...
O mesmo começou na sexta, com uma ida meio atribulada ao super mercado, depois tinha uma Vigília de Oração, onde já cheguei depois da hora que queria, mas o jantar - em família - estava divinal e não dava para comer a correr. A noite foi simples, mas muito sentida porque os grandes momentos não são sempre os mais espalhafatosos... Aliás quase nunca são! Naquela noite prevaleceu, sobretudo a união e valeu pela a felicidade que senti por estarmos todos ali! Tão diferentes e tão juntos por alguém que nos faz ser mais... Depois fui para casa fazer um bolinho e esperar que este cozesse, coisa que durou quase até às 3h da matina, mas o bolinho ficou lindo, lindo...
No sábado levantei-em cedo porque tinha uma data de assuntos para tratar, coisas para ultimar, compras para fazer e muitos assuntos semi-pendentes para arrumar e despachar de uma vez só! Pela hora de almoço, fui a casa e numa corrida trinquei qualquer coisa, coloquei umas roupas espalhadas na cama para decidir o que vestir no dia seguinte e pufff!!! Saí a correr para estar toda a tarde, (e não é só literalmente) com as mãos na massa, mais propriamente na pasta de açúcar, ajudando a decorar três lindos bolos. Depois, corrida de novo até casa, banho, missa e um aniversário muito, muito especial: 20 anos da Seara!
Um aniversário e um jantar que só por si merecia um post inteirinho mas, quando tiver as fotos prometo que acrescento mais qualquer coisinha. Foi o meu primeiro aniversário enquanto Seara de Cristo e amei! Gostei muito de ter ajudado e de ter estado com aquela que é mais uma família. Palavras não chegariam para descrever, o que tem sido esta grande aventura que é cá estar... Nesta última noite de sábado fui re-baptizada e, para que conste, ainda bem que o fizeram pois só serviu para intensificar a minha alegria de estarmos juntos.
Depois, já me casa, a noite foi largamente prolongada no computador, pois havia umas coisas para acabar e a noite é das minhas melhores companhias, mas o problema vem sempre sobre a manhã... Domingo (ou qualquer outro dia que seja!) a ter que madrugar não é para mim!!! Ter que levantar cedo ao domingo é tortura, e só o faço quando o motivo assim o exige. E tem que ser um forte motivo! Mas, este domingo o motivo era mais forte que tudo, por isso às 7h estava no banho, sequei e estiquei cabelo, coloquei uma maquilhagem para disfarçar todo o cansaço, uns saltos altos (que transformam logo meia mulher!) para compor a coisa e vesti qualquer coisa à presa. Rumei à igreja, despachei umas coisas, deleguei outras e larguei tudo rumo ao sul...
Ontem fui almoçar com um casal de grandes amigos, das melhores pessoas do mundo e por quem daria a minha vida, se preciso! Amigos que há um ano atrás se casavam e que juntos viveram 365 dias de muitas alegrias e tristezas, mas que souberam encarar o melhor, e sobretudo o pior, unidos por um amor de fazer inveja (mas inveja da boa, no sentido de serem um modelo a crer seguir!). E já passou um ano! Quem diria??? Mas ontem, mais do que nunca sentia-se que faz sentido e que eles querem muito continuar unidos para a vida! E só pelo sorriso da minha amiga valeria a pena ter ido, ter esquecido os compromissos anteriores, ter resistido ao cansaço e ter estado para testemunhar um lindo primeiro aniversário de casados. Mas como me deram muito mais do que um sorriso, foi maravilhoso! O local e a família também ajudou...
E assim termino registando que fui muito feliz este fim-de-semana!!!

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Tia em desespero #6

Ontem deitei-me orgulhosa!
O meu "ratinho" assumiu quer muito algo... Quer mudar, crescer, ser melhor...
Não têm sido faceis os últimos dias, são muitas as batalhas e muitos os nossos medos. Um caminho torto que parece teimar em não se endireitar! Mas, ontem fiquei com a sensação que agora vai dar certo. Será instinto maternal?

quarta-feira, 4 de junho de 2014

A falta que me fazes...


Querida amiga...

#11- Por onde andam os meus pés?

Infelizmente não tirei fotos (mas porquê que eu não levei a máquina???), contudo ontem os meus pézinhos realizaram um sonho! 
Calcei uns Christian Louboutin igualzinhos a estes...


Xiques os meus pézinhos? 
Mas, infelizmente este lindo modelito, teve que ficar em casa da minha amiga... É que são mesmo lindos,  LINDOS!!! Um sucesso garantido, se conseguires sair à rua com eles!