segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Um tanto gostar que chega a doer

À primeira vista não parece, mas quem me conhece de verdade, sabe que eu sou uma pessoa muito sensível. Tenho um coração mole, que mora logo à entrada da boca, e vim com o defeito de ter o coração maior do que o peito, e para minimizar os estragos fui arrumando nele todos os que me são mais do que simples conhecidos. Em consequência disso, pago uma renda - às vezes - demasiado alta: preocupo-me demais com os outros, independentemente do que são na minha vida. Preocupo-me e sofro!
Por isso quando coisas "mais chatas" se passam com os meus (leia-se aqueles que possuo de paixão, e que dão pelo nome de Família e/ou Amigos) a meu coraçãozinho fica numa situação muito complicada. Sofro! Sofro tanto ou mais do que eles, com a agravante de ter que parecer ser forte, para que eles possam ver em mim sempre um apoio e uma segurança que, muitas vezes, já perderam.
Não é novidade que tenho na minha vida uma mão cheia de amigos do coração que são únicos, imprescindíveis e insubstituíveis, para os quais quero estar sempre disponível e cheia de esperança e alegria. Dessas pessoas eu gosto tanto, tanto, tanto que chega mesmo a doer, é um gostar ímpar como se fossem da minha família mais próxima, é um amor e um carinho que nos faz ser mais feliz nos seus momentos felizes e mais triste nos seus momentos tristes, é algo que por muito que queira não consigo definir! Por isso hoje, dói-me mais do que aquilo que é o normal, doí-me o coração porque uma grande amiga está a sofrer... Ela está a passar por algo que não sei o que é, nem consigo sequer imaginar... E por isso o meu sofrimento é maior, mesmo sendo eu uma pessoa positiva, não dá para não sofrer.

Ontem estava cheia de positividade, esperança e fé. Hoje, confesso que me fui um pouco a baixo! Acordei de sobressalto e percebi a brutalidade do seu - e agora meu - sofrimento. Mas não posso nunca perder a fé e tenho que acreditar que não vai ser nada!

Sem comentários:

Enviar um comentário