quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Vou contar-vos o que estava do outro lado da porta...

Há cerca de seis meses atrás assumi aqui que iria arriscar, rodar a maçaneta e descobrir o que poderia vir a viver do outro lado da porta... inFelizmente, em certos "assuntos" da minha vida, sou uma pessoa que precisa de muito tempo para arriscar e ousar ir mais longe. Defeito de fabrico? Cobardia? Medo? Jogar pelo seguro... Eu cá possuo de tudo um pouco!
Para mim dar um passo maior do que a perna, ou melhor dizendo, neste caso, maior do que os sentimentos é-me muito dificil, impensável mesmo! E, ou bem que é um passo dado com o coração certo do que aí vem, aconselhado e bem alertado pela cabeça, que também convém que esteja certa do que quero, ou bem que não vale a pena arriscar! E, ainda assim, vou falhando algumas muitas vezes...
Mas deixando-me de rodeios, resolvi arriscar! Rodar a maçaneta e buscar do outro lado da porta algo que me seria, à partida, totalmente novo. Mas era aquilo que eu queria muito. Por isso, certa de que ao rodar a maçaneta, eu iria ser um pouco melhor do que até ali, mais feliz até, mais amada... Enfim, rodei a maçaneta e o que encontrei do outro lado?


Parece estúpido, surreal, injusto! Mas do outro lado da porta não havia nada... Estava vazio, escuro e não havia nada... Nada de bom, nem nada de mau... Simplesmente nada me esperava! Não sei se demorei demasiado tempo ou se nunca lá esteve nada/ninguém à minha espera... Também não sei o que se passou! Não sei como fui capaz de encarar o vazio, a ingrata sensação de injustiça, de fraqueza e de revolta... Mas, de uma coisa tenho a certeza, com este grande nada a minha vida nunca mais será a mesma.

Sem comentários:

Enviar um comentário