sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A chuva molhava-me o rosto...

Gosto de trocar as voltas às pessoas, de não ser previsível, de ser maioritariamente original, gosto de surpreender... Mas este post, ao que parece, já era esperado (ontem recebi uma mensagem a dizer "Lá fora chove - parte 6 #"). Contudo, mudei-lhe o nome! Só para ser diferente. Ser diferente e confesso! para não dar o braço a torcer na afirmação "Acho que acertei no título do próximo post". É que era só o que me faltava! Outras coisas não acertas tu!!!
Eu gosto da chuva no seu q.b., por isso surgiram estes post, depois fui escrevendo sobre ela porque - neste momento - faz todo o sentido! E ainda porque sempre tive um fraquinho pela chuva, pelo andar à chuva, sonhar à chuva... E sempre gostei do inverno, das noites longas, do estar no quentinho do lar, do cobertor quentinho e a chuva lá fora a cair de mansinho (vá nem sempre!)... A chuva está associada a muitas coisas do meu passado, coisas marcantes, nem sempre coisas boas é certo. Mas também há outras tantas coisas "menos boas" e mais felizes que fui vivendo e que hoje, facilmente, recordo associando à chuva... 
A música Chuva da Mariza é a ideal para descrever a chuva, este inverno, o autor da mensagem recebida ontem, o meu estado de espírito e a "nossa" história!


E eis que ela bate no vidro trazendo a saudade...

Sem comentários:

Enviar um comentário