sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Loucuras? Ás vezes também são precisas :)


A mais pura das amizades

Todos os que me conhecem minimamente bem, sabem o quanto eu gosto de escrever. Alguns, poucos! apreciam e apoiam as minhas palavras... E desses, há ainda os que "merecem" que eu lhes dedique algumas das minhas ditas Palavras Soltas! Já o fiz por aqui algumas vezes...
Essas palavras, que lhes vou dedicando, são muito mais do que palavras soltas, são palavras sólidas, sinceras e, quase sempre, curtas demais para descrever o que essas pessoas são na minha vida. É assim com a minha irmã do coração, a minha melhor amiga, a amiga não de sempre mas para sempre, a minha querida TM.


Entre nós existe uma amizade tão verdadeira e tão boa que nada nos separará... Juntas resistimos ao tempo, às distâncias e às mais adversas situações da vida. Nem sempre é fácil o que a vida nos reserva! E nós duas, conhecemos bem esta realidade, mas isso também nos une. Temos algo em comum que por muito que tentemos descrever por palavras, não dá para o fazer. É impossível. Gostava, mas não sei como passar para aqui, a nossa amizade. É algo mágico que faz com que em muitos e muitos momentos das nossas vidas sejamos como que uma só. Uma pensa a outra diz; uma quer a outra dá; uma sente a outra presente; uma está mal a outra não consegue estar bem; uma liga a outra já estava a digitar o número; uma está feliz e a outra transborda na mais pura das felicidades... Para as nossas famílias, somos irmãs!
Mais uma filha em cada uma das casas, com quem todos se preocupam, mesmo estando longe fisicamente uma da outra. E só isto, faz com que, às vezes, a minha vida seja muito mais feliz... Feliz só porque ela existe! Feliz, porque sei que há alguém, para além da minha mãe, que me quer muito, muito bem, que se preocupa e - muito importante - que me apoia em T U D O! Na verdade, a T. é a pessoa que mais coisas sabe da minha vida. Ela sabe tudo! Sabe até os meus supostos segredos mais escondidos e é ai que, muitas vezes, mais preciso do seu apoio incondicional.
Esta nossa amizade - sinto muitas vezes- que é como um pilar de equilíbrio, sem o qual era muito mais difícil suportar as coisas menos boas que vão surgindo no caminho. Mas também, sem o qual, não teríamos com quem dividir verdadeiramente as alegrias, aventuras, loucuras e felicidades... E tem sido muito assim nos últimos longos meses: apoiamo-nos uma na outra, e juntas vamos ultrapassando, mais uma fase das nossas vidas. Ela está numa fase "de risco" mas muito feliz e eu estou muito feliz por ela. Eu estou numa fase bastante complicada e ela descomplica-me um pouquinho a vida... É muito importante - pelo menos para mim - ter alguém na minha vida que aceita tudo o que faço, as coisas boas, as muito boas e todas as outras. Aceita e não condena, não exige explicações, não apresenta porquês. Aceita apenas! Claro que não me deixa "errar", nem age levianamente ao apoiar tudo o que faço, ela não me deixa sofrer e o que mais deseja, em tudo, é a minha felicidade. (Aliás este é um sentimento compartilhado!) Na verdade a T. apoia-me sempre!!! E com o seu apoio mostra-me que, independentemente do certo ou do errado, do que eu escolha ou faça SOMOS AMIGAS e ela vai estar sempre comigo. Não só nos bons ou maus momentos, mas sempre! Se tudo corre bem, "fazemos a festa". Mas se algo corre menos bem ela está apenas lá. E o mesmo acontece comigo na vida dela! Sofremos juntas, rimos juntas... Partilhamos momentos exclusivos da vida uma da outra e sabemos sempre ler nas entrelinhas, tenho estado a seu lado no melhor e no pior e o mesmo acontece com ela. Entre nós existe a mais pura das amizades!


Este post surge num momento da minha vida em que isto é tão actual. Esta semana mandei-lhe uma mensagem e a resposta foi tão inesperada que até me emocionei (vá para os que me conhecem, isso também não é difícil!). Não houve nada na sua mensagem que não me desse força, uma palavra que não fosse de encontro ao que eu estava a sentir. E, acreditem!, não era nada daquilo que eu precisava de ouvir. Mas era o que ela sentia, era a verdade, eram as palavras certas, era a nossa amizade - mais uma vez - a manifestar-se sem dar para descrever em palavras... 

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Só porque sim #9


Na loucura da vida

Eu vivo todos os dias um misto de sentimentos muito grande, muito forte, muito marcante! Se desse para descrever por palavras, a maioria das pessoas, achar-me-ia louca. E não o serei? Ainda ontem no curto espaço de 4 minutos deixei cair uma lágrima de tristeza, de solidão e pesar... E a seguinte já era de felicidade e gratidão. (obrigada TM!) Vivo este turbilhão de sentimentos todos os dias... Parece fácil, parece bonito, mas não é!

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

#6 - Coisas que, por muito que tente, não consigo perceber...

Hei de chegar aos 90 anos (que não chego, claro!) e ainda me admirar com certas pessoas que se cruzam no meu caminho. Como pode alguém achar-se tão cheio de mural, tão acertivo, tão boa pessoa, tão "special one" que tenha que chegar ao ponto de rebaixar, sim rebaixar!, alguém à frente dos outros só porque sim. Será para alimentar o seu ego? Será algum problema mal resolvido? 

Pensamentos soltos

Nunca uma imagem refletida num espelho me ficou por tanto tempo na cabeça... 

Devia mesmo ter fotografado o momento!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Para um bom recomeço de semana :)

Entre nós  existe um olhar que ninguém, uma voz que ninguém ouve... uma paixão que niguém percebe, algo que só Tu e Eu sentimos!

#21- O que dizem de mim

E um orgulho do tamanho do mundo...


"Tu vais estar aqui sempre. Mesmo que passem 100 anos após a tua morte tu vais estar sempre aqui, porque tu mudaste vidas. As nossas! E nós vamos sempre lembrar-te, passe o tempo que passar..."

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

#6 - Sonhos em silêncio

Se há sonho que ainda não desisti de realizar é o de um dia puder colocar meia dúzia de coisas básicas numa carrinha "pão de forma", juntar um ou dois amigos especiais e partir sem destino marcado... Acabar os dias à beira mar, rir até cansar ao som crepitante de uma fogueira singela e acordar com o barulho da natureza. Ir sem ter que pensar em quase nada... ir e sentir que sou livre!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Um fds cheio de emoções :)

Os meus posts mais sérios, por norma, começam a chegar a estas paragens "a modos que" um pouco atrasados. Não é por mal, é apenas porque não tenho tido tempo para nada. E depois, também porque aprendi a ter algum tempo para digerir, saborear e avaliar as emoções que vou vivendo. Foi assim neste fim-de-semana! 
Este fim-de-semana foi Carnaval e eu estive, uma vez mais, reunida com parte de uma família que é muito importante para mim! Estive, em mais um Sub16 da região sul da JMV, e levei comigo 18 "pequenos" que um dia - espero e desejo! - irão sentir por este movimento o mesmo que eu, ou ainda mais. Vão ser jovens, vão ser grito, vão ser gente!!!
Apesar do cansaço de toda uma semana chata e trabalhosa, da pouca vontade de ir, da falta de motivação, das frustrações e adversidades que me conduziram até Carrazeda, tenho a dizer-vos que foi um mega encontro. E a grandiosidade do mesmo, deve-se ao facto de ter comigo miúdos assim! É, sem dúvida, uma grande honra. Possuo  por eles um imenso orgulho. Um orgulho bom que me enche o coração e, que por vezes, me sai pelos olhos (sim, sou uma chorona!). Não dá para descrever!!! Frases como algumas desta que ouvi "tens ali uns miúdos do melhor", "são bons rapazes e sabem do que falam" ou "estás a fazer um excelente trabalho" fazem-me sentir que há coisas pelas quais vale a pena acreditar! E este grupo é, no hoje, o futuro de algo melhor! Acredito mesmo que sim! E o mérito não passa por mim... Contudo, é como lhes disse, no que depender de mim, no que eu puder fazer, vou estar sempre disponível para os ajudar, apoiar, orientar... para tudo o que de mim precisarem, pois serão sempre "especiais" para mim (todos!!!).
E depois de três dias muito intensos, eis que volto à terra, literalmente! E sou, de novo, bombardeada com um montão de sentimentos que me deixam completamente KO. Ter um ratinho (leia-se sobrinho) como o  meu é de facto uma dádiva de Deus, mais um motivo para viver com esperança, para ser melhor a cada dia e para ter forças. Mesmo nos momentos maus! Não é fácil! Muitos me perguntam porque fui eu assumir tamanha responsabilidade? Como me meti nesta situação? A resposta é só uma: por AMOR!
O M. é o meu ratinho, aquele ser que de tão pequenino e frágil que era, me cativou o coração de um modo que nunca mais ninguém conseguiu! E, não é que não goste dos meus outros três sobrinhos, claro que gosto! Mas o meu ratinho é um menino especial (com tudo o que esta palavra acarreta) e eu soube disso logo na primeira vez que o vi. (Mas um dia escrevo um pouco mais a sério sobre o meu ratinho bravo que começa a amansar!) 
E para finalizar, não dá para esquecer que foi Carnaval! Claro!!! E, como já é tradição, apesar dos meus compromissos "fora", não faltei ao mais português Carnaval de Portugal: Torres Vedras - onde já devo ir para aí há uns 14/15 anos! Good!!! Estou a ficar mesmo "antiga"! Este ano foi diferente, com pessoas diferentes, com uma máscara diferente, mas com as musicas de sempre... Este ano, também recordei um amigo que partiu no dia do meu 30.º aniversário, e que muito provavelmente foi o incentivador deste meu estranho gosto por me mascarar e por sair feita doida pela noite a brincar ao Carnaval (sou a única na família desde o o tempo do meu avó materno!). Jorge, estejas onde estiveres, obrigada por me teres mostrado este lado divertido da vida!

#27 Conversas

 

 - Há coisas que só o tempo fará esquecer... Hoje lembrei-me de ti.
 - Podes crer... Porque será que eu também...
 - Serás sempre uma pessoa com quem lamento não ter conseguido ser feliz.
 - Eu não sei o que te diga... Mas espero que tenhas sido feliz em alguns momentos que passamos.

S A U D A D E

7 Letras apenas e uma dor que NÃO tem fim: é enorme!



O tempo passa mas não leva os sentimentos

A tristeza quando chega ao coração do homem é o inicio de uma grande luta individual...


Sei que não está  - nem nunca esteve - correcto. Sei que não devia pensar assim, sentir o que sinto, desejar e querer o que não me pertence. Sei que não possuo qualquer direito de reclamar, de protestar, de me sentir lesada... Sei que, aos olhos de muitos,  não há motivos válidos para me sentir assim, que a culpa é minha, e só minha e que - neste momento! - recolho os frutos de uma má colheita. Mas, é muito difícil, um castigo muito grande, um fardo demasiado pesado!
Houve um tempo em que o choro aliviava, os amigos ajudavam, mas neste momento sinto que só eu posso "vencer" esta luta...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Às 18 semanas...


Uma definição de felicidade

Este post chega um pouco atrasado devido ao meu estado aparvalhado perante tamanha dose de felicidade. O passado fim-de-semana podia perfeitamente descrever o que é para mim a felicidade!
Foram dois dias muito bons. Foram tão simples, tão perfeitos, tão descomprometidos, tão genuínos. Enfim, tão felizes! Esta ida a Coimbra, era algo que eu já planeava há uns meses e que, confessando uma grave falha, já estava em falta há muuuuuuiiito tempo (para aí uns 10 anos?). Esta visitinha, estilo surpresa, era algo que eu queria muito e que, com a chegada quase iminente da pequena "nonô", já se estava a tornar imperativo e sinceramente soube-me muito bem. E, sem crer estar para aqui a gabarolar-me, sei que fez muito melhor à minha grande amiga. Eu estava a precisar de estar junto dos que me são próximos, dos que - por opção! - me escolheram para ser como família. Mas ela também precisava de me ver, de me sentir próxima, de falar de coisas banais e de tantas outras menos banais, coisas sérias e importantes das nossas vidas, separadas pela parva distância, mas sobretudo coisas muito caracteristicas de uma amizade simples e genuína.
Este fim de semana, para mim, foi assim como que mágico, uma lufada de ar fresco no meio de um deserto desgastante. Foi tão bom, não só porque estive com uma amiga extraordinária, que tem uma família "em construção" não menos extraordinária, mas também porque saí do meu "habitat natural", não tive responsabilidades, compromissos, horários, coisas pendentes, correrias e stresses. Acho que, era bem capaz de me habituar a uma vida assim! Passar um fim-de-semana inteirinho sem nada para fazer, só com a preocupação de matar as saudades e actualizar conversas? Sim era prefeito! E será perfeito mais vezes, com toda a certeza. Até porque quero ser uma tia presente. :)
Acho que já o referi, algures nestas palavras soltas, mas há pessoas que na minha vida são como a família próxima (mãe, pai, irmãos). São a família que, sem laços de sangue, escolhemos ter sempre presente na nossa vida. E com a T. é exactamente assim, não só porque os pais dela me tratam como filha deles, o marido me trata como irmã e todos me colocam extremamente à vontade, mas sobretudo porque existe algo entre nós, que não se explica. Algo que nos pequenos gestos simples e puros se acaba por concretizar de uma forma tão... sem palavras possíveis de descrever! Não é por acaso que, sem falarmos, "as bailarinas" surgem nas nossas cabeças? É a amizade.
E EU sou muito grata por esta amizade. Uma longa, sólida e bonita amizade que acerta nas bailarinhas, que se antecipa em coisas importantes, que se torna presente sempre que necessário, que se manifesta nos momentos cruciais, que vence todas as distâncias e todo o tempo, que nos deixa totalmente à vontade e que, no fundo, é tão nossa, tão própria e tão única.
Junto de ti, de vocês, sou feliz! Só feliz. Sem motivos, sem grandes coisas, sem ser necessário nada de extraordinário. Feliz, apenas.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Amigas :)


Obrigada minha querida T.M.

#17- Por onde andam os meus pés?

Este fim-de-semana os meus pés rumaram até Coimbra. Fomos visitar a tia super grávida, o tio PM e a pequena Nonó que me presenteou com muitas coisinhas boas nestes dois dias muito bons :)

Os meus pés escondidos na casa de banho, à espera de puderem fazer a 2.ª surpresa do dia :)

Os meus pés muito bem acompanhados e animados num serão muito familiar...

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Saudades da nossa amizade :'(


Às vezes um montão de defeitos não chega para apagar recordações muito boas... Mas receio, ser frágil, não resistir e, sobretudo, tenho medo que a mágoa, a dor da partida e a saudade possam apagar as coisas felizes partilhadas, o que de bom víamos um no outro, a confiança, a amizade sincera e tudo o que foi imensamente bom. 

Esse dia pode ser hoje?


Acordar depois de uma ida ao ginásio...


É acordar e crer voltar p'ra ilha! Neste caso, para a cama. Não que esteja demasiado dorida, mas sobretudo porque não descansei em condições e porque queria muito poder, tipo diva!, ficar na caminha na boa, depois vaguear pela casa de robe e chá quente na mão, receber uma massagem, ai ai... Em suma, depois do treino de ontem, devia ser feriado hoje!  

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Só porque hoje não chove!

Amo como a chuva fina. Essa que cai em silêncio, quase sem se fazer notar, mas que é capaz de transbordar rios.
(Paulo Coelho)

#1 - Um novo mês

Pois bem, este post já vai um  pouco "atrasado", mas sou adepta da velha máxima do mais vale tarde do que nunca! Vou tentar que, cada novo mês, me traga sempre algo de novo...


E, espero, que seja algo de bom!
Janeiro foi um mês francamente positivo, passou-se sem grandes agitações, foi tranquilo e, como sempre, bastante demorado. Mas, agora é sempre a abrir! É sempre assim. Todos os anos, Janeiro é lento e depois... puff!! O ano passa a correr e quando me dou conta é de novo Dezembro.
Fevereiro começou com uma ligeira indisposição e, tenho cá para mim, que vai ser um mês doloroso... Mas há dores e sacrifícios que valem a pena! Outras nem tanto. Ontem foi dia da minha 1.ª ida ao ginásio. E? Correu bem, gostei e, embora já sinta as primeiras dores no corpo, não foi assim tão mau. Esta era uma das resoluções de ano novo e tenciono levá-la até ao fim. Para ser sincera já sentia falta de mexer este rabo gordo e preguiçoso. Quando tomei esta decisão tinha estabelecido para mim mesma, um objectivo - a um ano - e, ontem o PT disse que isso era para ser resolvido em TRÊS meses! Ah ah ah :)
Ri-me à grande de tamanho disparate! Mas, não sendo ele adivinho e - importante!!! - não lhe tendo eu confidencializado o que eu própria estabeleci, não é que bateu certinho? O objectivo era o mesmo. Afinal sou racional e não uma louca qualquer, pelo menos neste aspecto, vá! Mas, confesso que me ri bastante com o timing dele. Ri e ele fez cara feia, eu ri de novo e ele fez cara de mau, por fim eu cedi  (medo!!!) e ele fechou o assunto relembrando os três meses, muito treino, disciplina e, claro!, algumas regras básicas na alimentação! Preferia continuar a pensar no prazo de um ano e até teria reagido bem se ouvisse seis meses, mas agora três, cheira-me que iniciei um caminho de muito suor, lágrimas, dores e exercícios. Mas vamos lá!!!
Olá Fevereiro! Que sejas o início de um bom caminho!!!